Região do Dão

VISEU, CAPITAL DAS TERRAS DO DÃO – PORQUE O AFETO TAMBÉM FAZ PARTE DO “TERROIR”

No coração do imenso planalto de solo granítico protegido pelas serras da Estrela, Montemuro e Caramulo, a cidade de Viseu é reconhecidamente a capital de uma das mais singulares regiões vitivinícolas de Portugal – e mesmo da Europa, apresentando características que se assemelham a algumas das emblemáticas regiões francesas.

Cidade capital de vinhos elegantes e aristocráticos, alberga o belíssimo Solar do Vinho do Dão e espraia a sua matriz e influência pelas margens do rio que batiza esta região única e peculiar – uma região feita de vinhedos que rasgaram clareiras por entre pinhais para dar origem a vinhos extraordinários.

Viseu é simultaneamente o ponto de partida e de chegada para a degustação dos grandes vinhos do Dão. Porque só aqui pode sentir-se a atmosfera urbana de uma cidade especial em que se respira a proximidade afetiva dos vinhedos do Dão. E porque o afeto também faz parte do “terroir”, essa múltipla conjugação de clima, território, diferentes tipos de solo e simbiose das vinhas com o meio envolvente.

Por terras de Viseu, cidade milenar, capital histórica e natural das terras do Dão, descobre-se um “terroir” que nos remete para vinhos difíceis de encontrar noutras regiões portuguesas – vinhos com frescura, acidez, mineralidade e estrutura que se caracterizam pela sua elegância, por uma capacidade de envelhecimento invulgar e pelo potencial gastronómico necessário para se conseguirem harmonizações perfeitas.

Quando, no mundo inteiro, o vinho é cada vez mais indissociável do enoturismo, é difícil encontrar em Portugal melhor destino do que Viseu e as terras do Dão. Porque nenhuma outra região demarcada portuguesa tem a sua cidade emblemática assim paredes-meias com os vinhedos que lhe dão origem.

Luís Costa

Jornalista, “winewriter”, editor da revista WINE – A Essência do Vinho